Já imaginou usar uma simples árvore para tortura? Os índios usavam a “árvore da morte” para torturar seus inimigos, os amarrando eu seu tronco e deixando-as ali para que sofressem quando a chuva chegasse.

Além disso, já pensou que um dia nativos envenenavam suas flechas com a seiva de uma árvore para acabar com seus inimigos? Relatos dizem que tal “armadilha” inclusive causou a morte do espanhol Juan Ponce de León, o primeiro governador de Porto Rico, que recebeu uma flechada em uma batalha ao tentar conquistar a costa da Flórida, em 1521.

A Camomila da Morte, como é popularmente conhecida, é uma árvore que pode atingir até 20 metros de altura caso seu tronco cresça em linhas retas, porém o mais comum é encontra-la em formas quase rasteiras e extremamente tortuosas. Seu tronco e numerosos ramos são cobertos com uma crosta grossa e quebrada, normalmente de cor cinza.

Com nome cientifico de Hippomane Mancinella, porém popularmente conhecida como “A árvore da Morte” ou “A Camomila da Morte”, esta arvore mortal está, inclusive, nos registros do Guinness Records, sendo citada como “A ARVORE MAIS PERIGOSA DO MUNDO”. Situada normalmente em regiões costeiras, sobre solos arenosos de alta concentração de sal, ainda é possível encontrar algumas de sua espécie na costa que se estende da Flórida para a Colômbia, também tendo abundância em várias ilhas do Mar do Caribe, incluindo a Ilha de Margarita, na Venezuela.

Seu nome cientifico – Hippomane Mancinella – deriva da palavra grega hippo, que significa Cavalo. Ela foi nomeada assim pelo filósofo Theophrastus (371a.C. – 287.aC.) depois que percebeu-se que os cavalos ficavam completamente loucos após comer os frutos desta árvore.

Sua seiva leitosa contém forbol, um componente químico perigoso. Só de encostar na árvore, sua pele pode ficar horrivelmente queimada.

Refugiar-se debaixo dos seus galhos durante uma chuva tropical também pode ser desastroso, porque até a seiva diluída pode causar uma erupção cutânea grave.

Seu fruto possui um aroma super agradável e uma enorme semelhança com uma simples e inofensível maçã. Porém, o que muitos não sabem, é que ingeri-lo pode causar a morte de seres humanos e mamíferos. Seu consumo é totalmente proibido, podendo causar graves diarreias e vômitos, que por fim, causam a morte.

Além do perigo nos frutos, uma pessoa que se aproxima desta árvore pode ter queimaduras graves, erupções cutâneas, bolhas e inflamações de pele. Em casos de queima, afim de extingui-la, é aconselhado não estar próximo às fumaças, já que as mesmas podem causas problemas respiratórios e até mesmo cegueira.

Há tempos atrás, a “árvore da morte” foi usada por nativos para a caça, que usavam sua seiva para cobrir as flechas. Além disso, há relatos que de inúmeros móveis foram criados com sua madeira na época colonial.

Devido às graves consequências que a mesma trás para os seres humanos, a maioria das árvores da morte foram cortadas e agora a espécie se encontra em perigo de extinção.

Se você ainda tem suas dúvida sobre a periculosidade desta árvore, deixamos abaixo um alerta tirados dos registros do Instituto de Ciências de Alimentos e Agricultura da Flórida.

“Alerta: todas as partes da mancenilheira são extremamente venenosas e a interação ou ingestão de qualquer parte desta árvore pode ser letal”

Bizarro, não?

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here